Sempre linda na gestação



Um dos pontos mais fascinantes da gravidez é observar as transformações do corpo durante esses nove meses. A mulher se sente disposta, o cabelo ganha um brilho diferente e a pele fica mais viçosa. Paralelamente, há outras mudanças não tão agradáveis: a oleosidade da pele aumenta, as gengivas sangram e o intestino fica preguiçoso. Veja como conviver melhor com essas situações.

Dentes
As gengivas incham e sangram durante a gestação e tendem a acumular mais restos de alimentos. O pH da saliva também se torna mais ácido. Esses fatores facilitam a formação de cáries. A recomendação é passar o fio dental, mesmo que sangre, e escovar os dentes e a língua várias vezes ao dia. Se necessário, use pasta de dente para diminuir a sensibilidade.

Intestino
Ele fica mais lento, pois o aumento dos níveis do hormônio progesterona no corpo reduz os movimentos peristálticos (contrações involuntárias para expulsar as fezes). O sedentarismo também prejudica o funcionamento intestinal. O ideal é beber bastante água, aumentar a ingestão de fibras e praticar uma atividade física. O uso de estimuladores intestinais à base de fibras também pode ajudar. Outra sugestão é comer as sementes de meio mamão papaia no café-da-manhã. “Como elas não são absorvidas pelo intestino, o corpo faz força para eliminá-las. Assim, as fezes também são expelidas”, ensina o obstetra Alberto d’Auria, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

Pele
Embora ganhe maior resistência, a pele da grávida está mais sujeita a manchas devido aos hormônios que circulam no corpo. A pigmentação também aumenta. Mamilos e vulva escurecem e algumas mulheres desenvolvem a chamada linha nigra, marca que desce da barriga até o osso do púbis. Tudo isso volta ao normal após o parto. Entretanto, o que mais incomoda – e tem tratamento difícil – é o cloasma gravídico. “Essas manchas, que surgem principalmente na testa e nas bochechas, podem até clarear, mas nunca mais saem por completo”, afirma o obstetra Alberto d’Auria, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo. A exposição ao sol agrava o problema. Por isso, mesmo em lugares fechados use protetor solar. E, quando estiver ao ar livre, aumente a proteção com um chapéu.

Comentários