Nitrato de prata (Método Credé)

Em 1881, para prevenção de oftalmia (conjuntivite) gonocócica (causada pelo gonococo ou Neisseria gonorrhoeae, bactéria que pode ser transmitida da mãe para o bebê no canal do parto, caso ela esteja infectada), iniciou-se o uso do nitrato de prata a 1%.

O nitrato de prata causa uma conjuntivite química, levando a uma resposta inflamatória com efeito antibiótico secundário.

Ele é instilado no saco conjuntival inferior (detalhe técnico... é pingado no olhinho, como se fosse um colírio!), e o excesso da medicação é removido com gaze. Não se deve lavar os olhos do bebê logo em seguida. Portanto, não se assuste se o seu bebê lhe for entregue com os olhos e pálpebras "manchados" pela medicação. Vai melhorar nas próximas horas/dias.

Pode-se retardar o uso da medicação por até uma hora (não mais que isso), para evitar a rotura do contato visual precoce entre mãe e filho na sala de parto, já que o nitrato de prata pode diminuir a abertura ocular e inibir a resposta visual (coisa temporária, viu!).

A Academia Americana de Pediatria recomenda a profilaxia para todos os bebês, independente da via de nascimento (parto normal ou cesareana).


Fonte: http://pediatriabrasil.blogspot.com/2010/04/nitrato-de-prata-metodo-de-crede.html
.

OBS: Abaixo uma foto minha realizando os primeiros cuidados com um recém-nascido, pode-se notar a coloração amarelada ao redor de seus olhos devido ao uso do Nitrato de prata:


Comentários

Postar um comentário