Participação do Pai

Dicas para a participação efetiva e afetiva do PAI na GESTAÇÃO:

1. Participe da escolha da equipe de saúde.

Afinal, eles é que vão cuidar de sua mulher e de seu filho neste momento tão importante. Não fuja dizendo: "confio na escolha dela". Eles vão, inclusive, determinar se você vai participar do parto e como.

2. Acompanhe sua mulher em todas as consultas e exames.

Não perca a oportunidade de ouvir o coração de seu filho ou de vê-lo na ultrassonografia mesmo que sua sogra insista e que sua mulher ache que "não precisa".

3. Matricule-se num curso de preparação para casais grávidos.

Você vai encontrar outros homens com as mesmas preocupações e vai poder esclarecer um monte de dúvidas além de se preparar para participar ativamente do parto.

4. Desenvolva sua vida sexual.

É comum que ocorra uma diminuição do seu apetite sexual sexual ou dela. Não se afaste, procure a orientação de uma monitora perinatal, de uma psicóloga ou do médico e conserve a respeito. Mesmo que não haja relação sexual, pode haver momentos de extrema sensualidade muito satisfatórios e enriquecedores, propiciando novas descobertas.

5. Tenha muita paciência.

Com o aumento da sensibilidade dela, você terá que enfrentar seus acessos de choro sem causa e sua grande necessidade de proteção, além de dar-lhe milhares de demonstrações de carinho e declarações de amor.

6. Faça contato com seu filho.

Mesmo que trabalhe muito e chegue em casa cansado, encontre um tempo para entrar em contato com o bebê, dentro da barriga, sem medo de ser ridículo. Ele ouve e reconhece sua voz a partir do 5o. mês de gravidez. Voce pode desenvolver uma comunicação intensa e extremamente gratificante com ele.


7. Informe-se.

Procure ler livros e revistas que ela le para poderem comentar juntos. Não tenha vergonha de chegar no escritório com revista de bebê, seus colegas talvez riam, mas, no fundo, sentirão admiração e, até inveja.


8. De palpites no enxoval.

Não se limite a pagar, participe da escolha do berço, do carrinho, do enxoval. Faça destas compras passeios agradáveis por terras até então desconhecidas por você, intercalando um lanche ou uma refeição e, até, um cinema.

9. Cuide de sua alimentação.

Mostre-se interessado na sua alimentação mas sem imposição, cobrança ou qualquer tipo de radicalismo. Deixe que coma o que tem vontade, ajudando-a, somente a conter os excessos.

10. Faça a mala.

Prepare sua bagagem com um mês de antecedência e coloque nela tudo que precisar para poder permanecer, com ela, na maternidade, o tempo que ela ficar.

Stephanie Sapin-Lignieres.
Publicado originalmente em 18/2/2003. Revisto e atualizado por Marcus Renato de Carvalho para o www.aleitamento.com em 2010.



Dicas para a participação efetiva e afetiva do  PAI NO PARTO E NO NASCIMENTO


1. Muita calma nesta hora!

Durante o curso de preparação, você se familiarizou com todas as possibilidades e percebeu que não há necessidade de correr. Portanto, você pode relaxar: A hora finalmente chegou e está tudo sob controle.

2. Monitore as contrações.

O médico gostará de saber a frequencia das contrações para determinar a hora da internação.

3. Leve-a, sozinho, para a maternidade.

Você se sentirá mais a vontade e ela também. Avise a família somente quando o bebê estiver quase nascendo, evitando os palpites sem impedir que participe da alegria do nascimento.


4. Esteja atento.

Coloque uma música relaxante, faça uma massagem suave nos intervalos das contrações, ajude-a encontrar a melhor posição, leve-a para passear no corredor, faça a respiração com ela.


5. Entre na sala de parto.

Coloque a roupa esterilizada, lave as mãos até o cotovelo, tire o relógio e permaneça ao seu lado até o nascimento.


6. Peça para cortar o cordão umbilical.

Você vai adorar inaugurar esta nova vida, possibilitar a autonomia de seu filho, desligando-o fisicamente de sua mulher.


7. Fique junto de seu filho.

Sua mulher ficará mais tranquila se você ficar com o bebê do que com ela. Acompanhe o pediatra para saber o peso, o comprimento, as notas do Apgar e o resultado dos primeiros exames, levando-o logo para junto de sua mãe.


8. De o primeiro banho.

Você ficará surpreso de ver como é simples e agradável. Seu bebê vai adorar, relaxar, até ... sorrir!!!

9. Limite as visitas.

Visita é bom, mas tem limite. Não deixe que fique muita gente no quarto, nem muito tarde. A tranquilidade da mãe e do bebê é mais importante que o receio de magoar as visitas.


10. Passe a noite na maternidade.

Esta primeira noite é muito importante. Não deixe sua sogra ocupar seu lugar. Você é o pai e é muito capaz de cuidar de sua mulher e de seu filho com a assessoria da enfermagem e do pediatra.



Passos para a participação efetiva e afetiva do  PAI NO ALEITAMENTO MATERNO.


Por vezes ela pode estar insegura de sua capacidade de amamentar. Seu apoio será fundamental nestas horas.

Mesmo que seja difícil aceitar, lembre-se que a amamentação é um período passageiro. Dê prioridade a seu filho(a).

Sua presença, carícias e toques durante o período de aleitamento são fatores importantes para a manutenção do vínculo afetivo do trinômio mãe + filho + pai.

No período de amamentação é pouco provável que sua mulher possa manter a casa, as refeições e se arrumar de formas "impecáveis". As necessidades do recém nascido são prioridades nesta fase.

Coopere nas tarefas do bebê na medida do possível: trocar fraldas, ajudar no banho, vestir, embalar, etc.

Mantenha-se sereno (sentir ciúmes do seu filha(o) é natural.

Procure ocupar-se mais dos outros filhos (se os tiverem).

Mantenha o hábito de acariciar os seios de sua mulher.

Fique atento às variações do apetite sexual (normalmente diminuído) de sua companheira.

Não traga para casa latas de leite, mamadeiras, chupetas, bicos de silicone, cigarros e bebidas alcoólicas.



Grupo Interinstitucional de Incentivo ao Aleitamento Materno da Bahia, 1985.
Fonte: http://www.aleitamento.com/a_artigos.asp?id=2&id_artigo=2258&id_subcategoria=3
.

Comentários