Hora de dormir

Colocar a criança para dormir pode ser um momento extremamente prazeroso para todos. Geralmente os pais estão em casa já mais relaxados, com o fim de mais um dia de trabalho, brincaram ou conversaram com seu filho e agora é hora de colocá-lo na cama. Importante que ocorra sempre no mesmo horário, para que a criança adquira o hábito de modo saudável e tranquilo. Mas nem sempre é assim.

Entre dois e três anos, é difícil a criança apresentar distúrbios do sono, mas é comum lutar contra ele, afinal significa abrir mão de atividades lúdicas e de estar com a família, para ficar sozinha em sua cama.

Nessa faixa etária, ela não distingue o sonho da realidade. Se tiver pesadelo e acordar chorando, deve-se acalmá-la com carinho e compreensão e, se pedir ou estiver muito assustada, deixar uma luz fraca acesa. Incentivá-la a contar o sonho caso se lembre, dando-lhe o suporte necessário, o que aumenta a intimidade entre pais e filhos.

Não levá-la para a cama ou quarto dos pais, mesmo que esteja chorando, pois reforça o sentimento de que o seu cantinho não é seguro, além de causar dependência. Um dos pais fica com ela em seu quarto até que possa senti-la mais calma e sai antes que pegue no sono, avisando-a do que ocorrerá previamente. Pode até embalá-la em seus braços mas, para dormir, coloca-a na cama, pois é muito confuso para a criança dormir no colo e acordar em outro lugar sozinha.

Os pais ou responsáveis devem evitar brincadeiras excitantes pouco antes do horário de dormir. Música suave ou conversas amenas são recomendáveis.

Para não dizerem que alguém morreu, alguns adultos têm o hábito de mentir dizendo que a pessoa dormiu. A criança pode criar o medo terrível de adormecer por acreditar que esse ato acarretará sua morte também.

Muitas crianças elaboram verdadeiros rituais para adormecer e chegam a reagir com agressividade se não forem cumpridos com a mesma sequência.

Algumas necessitam de determinado paninho que seguram ou esfregam em seu rosto; outras adormecem enrolando fios de cabelos nos dedos ou mexendo na orelha. Outras precisam de certo bichinho de pelúcia ou boneca ao seu lado.

Estes objetos tão valorizados por elas e que funcionam como verdadeiros anjos da guarda, que as protegem de tudo e de todos, são de profunda importância ao seu desenvolvimento. Mais tarde, perdem tal importância e se transformam em simples hábito, desaparecendo com a maturidade infantil.

Lógico que há de se ter bom senso em todas as situações, pois além de cada caso ser um caso, cada criança é individual e única e apenas quem convive com ela vai poder ter o procedimento adequado e bem equilibrado.


Por Ana Maria Moratelli da Silva Rico - Psicóloga clínica

Fonte: http://guiadobebe.uol.com.br/bb2a3/hora_de_dormir.htm
.

Comentários