Shantala como Terapia Alternativa na Enfermagem

A INSERÇÃO DA SHANTALA COMO TERAPIA ALTERNATIVA NA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A RECÉM-NASCIDOS.

A Shantala é uma arte milenar indiana, foi trazida para o ocidente por um obstetra francês, Frederick Leboyer, sendo que na Índia essa prática é uma atividade diária das mães, que são passadas para suas filhas ainda gestantes, instruindo-as para os cuidados que devem ter com seu futuro filho.

A técnica é composta por vinte movimentos e consiste em massagear a criança nua sobre as pernas da mãe. A massagem após o nascimento é uma continuação da relação e do contato íntimo que existia entre a mãe e o filho, portanto não é apenas uma massagem terapêutica, é uma interação fisiológica natural.

Dentre os principais benefícios que a Shantala proporciona estão: o combate da insônia, de cólicas, entre outros. O presente estudo foi realizado através de pesquisa bibliográfica, com o objetivo geral de evidenciar a importância da Shantala, e seus benefícios para mães/pais e profissionais da saúde.


INTRODUÇÃO

Terapias incluem a variedade das práticas de atendimento individual ou coletivo voltadas para a cura e prevenção de distúrbios, e também técnicas para o desenvolvimento de potencialidades psíquicas ou corporais. Também chamadas de terapias alternativas, constituem um imenso e heterogêneo leque de terapias (MAGNANI, 2000).

A Resolução do COFEN- Conselho Federal de Enfermagem n. 197/1997, estabelece e reconhece as terapias alternativas como especialidades e/ou qualificações do profissional de enfermagem, e, dispõe que as terapias alternativas são práticas oriundas, em sua maioria, de culturas orientais, exercidas ou executadas por práticos treinados assistematicamente e repassados de geração em geração, não estando vinculados a qualquer categoria profissional (COFEN, 1997).

Observa-se atualmente, um crescimento significativo em medicinas alternativas, principalmente nos serviços de saúde, onde vem ocupando espaço em todas as classes sociais. Talvez seja pelo fato da doença ser o resultado de um desequilíbrio de forças naturais e sobrenaturais, compreendida como rompimento da harmonia com ordem cósmica em movimento (LUZ, 1996 apud ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA, 2006).

As terapias alternativas/complementares são técnicas que visam à assistência à saúde do indivíduo seja na prevenção, tratamento ou cura, considerando-o como mente/corpo/espírito e não um conjunto de partes isoladas (HILL apud TROVO; SILVA, 2003).

Muitas são as terapias alternativas estudas e utilizadas na atualidade, no entanto, serão analisados nesse estudo, uma arte milenar, ainda pouco conhecida, a Shantala.

Descoberta na Índia por volta da década de 1960, e tornada conhecida no mundo todo pelo obstetra Frederick Leboyer, a Shantala é uma massagem que provoca efeitos como o relaxamento das fibras musculares e redução dos reflexos tendíneos, diminuição da freqüência respiratória e aumento da expansibilidade da caixa torácica, normalização da produção de suco gástrico, entre outros (LEBOYER, 1995).

Mas há outros benefícios. Segundo Auckett (1983), quando as mães massageiam seus bebês nos primeiros dias de vida, a massagem continua o processo de ligação e ajuda a estabelecer um relacionamento entre mãe e filho, caloroso e positivo. E Barros e Sato (2004), acrescenta dizendo que a massagem é bem mais que um toque que proporciona prazer.

O acesso e o conhecimento das técnicas de massagem e seus efeitos, ainda está restrito na área da enfermagem, devido à falta de informação e talvez falta de interesse por parte desses profissionais. Percebe-se, e salienta-se nesse estudo que esta prática poderia ajudar na prevenção e tratamento de muitas doenças, o que causaria um efeito satisfatório aos bebês em áreas como: berçários, Unidades de Terapia Intensiva Neonatal e Pediátricas, Programas de Saúde da Família, Programas de Puericultura, entre outros, no acompanhamento do binômio (mãe-bebê), orientando e fortificando os laços afetivos da família.

O uso desse tipo de terapia alternativa pela enfermagem comprova que o enfermeiro não cuida apenas da doença, mas sim do paciente como um todo, evidenciando os aspectos positivos que essa massagem traz, tanto para o bebê como para seus cuidadores.

Frente ao exposto, esse estudo objetivou listar os benefícios da massagem Shantala para bebês; e também apontar a massagem Shantala, como terapia alternativa a ser utilizada por enfermeiros na assistência a bebês tanto no contexto hospitalar quanto no domiciliar/comunitário; além de levantar os tópicos para obtenção de informação para as mães, pais, e também para leigos sobre os benefícios da massagem Shantala para bebês.
 
 
Fonte: http://www.webartigos.com/articles/38106/1/A-insercao-da-Shantala-como-terapia-alternativa-na-assitencia-de-enfermagem-a-recem-nascidos/pagina1.html
 
.

Comentários