Protocolo de manejo clínico e vigilância epidemiológica da influenza A (H1N1)

Medidas gerais de prevenção e controle de doença respiratória aguda

a) Informações gerais

As medidas de prevenção e controle que devem ser adotadas, baseadas em intervenções não farmacológicas, para reduzir o risco de adquirir ou transmitir doenças agudas de transmissão respiratória, incluindo o novo vírus influenza A(H1N1), são:

• Higienizar as mãos com água e sabonete antes das refeições, antes de tocar os olhos, boca e nariz E após tossir, espirrar ou usar o banheiro
• Evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies;
• Proteger com lenços (preferencialmente descartáveis) a boca e nariz ao tossir ou espirrar, para evitar disseminação de aerossóis;
• Indivíduos com síndrome gripal devem evitar entrar em contato com outras pessoas
suscetíveis;
• Indivíduos com síndrome gripal devem evitar aglomerações e ambientes fechados
• Manter os ambientes ventilados;
• Indivíduos que sejam casos suspeitos ou confirmados devem ficar em repouso, utilizar alimentação balanceada e aumentar a ingestão de líquidos.


Importante: Recomenda-se que o indivíduo doente com SG [Síndrome Gripal], se possível, permaneça em domicilio durante os 7 dias após o início dos sintomas.


b) Cuidados no domicílio

• Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.
• Evitar tocar olhos, nariz ou boca.
• Lavar as mãos freqüentemente com sabonete e água, especialmente depois de tossir ou espirrar.
• Manter o ambiente ventilado
• Evitar contato próximo com pessoas.


c) Cuidados em Creches

• Encorajar cuidadores e crianças a lavar as mãos e os brinquedos com água e sabonete quando estiverem visivelmente sujas;
• Encorajar os cuidadores a lavar as mãos após contato com secreções nasais e orais das crianças, principalmente quando a criança está com suspeita de síndrome gripal;
• Orientar os cuidadores a observar se há crianças com tosse, febre e dor de garganta, principalmente quando há notificação de surto de síndrome gripal na cidade; os cuidadores devem notificar os pais quando a criança apresentar os sintomas citados acima;
• Evitar o contato da criança doente com as demais. Recomenda-se que a criança doente fique em casa, a fim de evitar a transmissão da doença;
• Orientar os cuidadores e responsáveis pela creche que notifiquem a secretaria de saúde municipal caso observem um aumento do número de crianças doentes com síndrome gripal ou com absenteísmo pela mesma causa;


d) Cuidados com gestantes, parturientes e recém-nascidos
Gestante:


• Buscar o serviço de saúde caso apresente sintomas de síndrome gripal;
• Na internação para o trabalho de parto, priorizar o isolamento se a mesma estiver com diagnóstico de influenza;

Puérpera:
• Após o nascimento do bebê, se a mãe estiver doente, usar máscara e lavar bem as mãos com água e sabonete antes de amamentar e após manipular suas secreções; estas medidas devem ser seguidas até sete dias após o início dos sintomas da mãe;
• A parturiente deve evitar tossir ou espirrar próximo ao bebê;

Recém nascidos:
• Priorizar o isolamento do bebê junto com a mãe (não utilizar berçários);
• Os profissionais e mães devem lavar bem as mãos e outros utensílios do bebê (mamadeiras, termômetros);



Telefones úteis

• Centro de Informações Estratégicas e Respostas em Vigilância em Saúde /SVS/MS: 0800 644 66 45
• DISQUE NOTIFICA 0800 61 1997



Fonte: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública, Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional

.

Comentários