Amamentação e testosterona


A amamentação pode está relacionada aos níveis de testosterona. O ato de amamentar é um dos mais importantes tanto para o bebê, quanto para a mãe. Este momento é único, pois, além de ser saudável, é a hora em que o contato torna-se mais forte.

Recentemente, uma pesquisa norueguesa mostrou que a capacidade de amamentar pode ser governada pelos níveis de testosterona durante a gravidez. Quando a mãe não produz uma quantidade de leite suficiente ou encontra alguma dificuldade na amamentação, os especialistas sugerem que não há problema em alimentar o bebê com outro tipo de leite.

“A mulher que apresenta dificuldades na amamentação deve buscar orientação médica e de um fonoaudiólogo para diagnosticar a causa deste problema”, explica a fisioterapeuta e tutora do Portal Educação, Tatiana Leme.

Todavia, a Organização Mundial da Saúde alerta que os bebês devem receber apenas o leite materno até os seis meses de idade. Para a realização da pesquisa, 180 mulheres grávidas, inclusive mulheres que apresentavam risco de dar à luz a bebês pequenos, foram analisadas e os especialistas constataram uma ocorrência que já se sabe ser influenciada por níveis mais altos de testosterona.

Fatores como idade, educação e vício de cigarro foram levados em conta pelos noruegueses, mas, mesmo assim eles encontraram uma relação clara entre as baixas taxas de amamentação entre os três e seis meses de vida do bebê e altos níveis de testosterona da mãe.



 
Fonte: http://www.portaleducacao.com.br/educacao/noticias/40524/amamentacao-esta-relacionada-com-os-niveis-de-testosterona
.

Comentários