Será que é normal?

Sonecas, regurgitação, cólicas. Confira as principais dúvidas dos pais de primeira viagem sobre o desenvolvimento do recém-nascido e o que fazer em cada situação.

Levar o bebê para casa pela primeira vez é um momento especial para os pais. Em meio às visitas e aos presentes, as mudanças na rotina trazidas pelo recém-nascido e o desejo de não errar podem gerar ansiedade. O melhor a fazer é respirar fundo e lembrar que em pouco tempo vocês conhecerão bem o bebê. Para ajudá-los a relaxar, pedimos a especialistas que respondessem as perguntas mais frequentes nos consultórios dos pediatras.

É normal meu filho de apenas três meses não tirar sonecas longas durante o dia?

O sono do bebê é muito variável. Logo que nasce, ele dorme muito, acordando praticamente só para mamar. As crianças passam a ficar mais tempo acordadas a partir do segundo mês de vida. Com três meses, o padrão médio é dormir cerca de duas horas pela manhã, duas horas à tarde e mais duas horas no fim do dia, antes do sono da noite. No total, o bebê nessa idade dorme cerca de 12 horas por dia. Mas é importante lembrar que cada organismo é único e o acompanhamento mensal com o pediatra é fundamental. Como as crianças passam a enxergar melhor após o segundo mês, sendo capazes de identificar objetos, pessoas, cores e movimentos, é normal que o estímulo as mantenham acordadas.

É normal meu bebê dormir com os olhos abertos?

Por não terem controle total dos nervos e músculos nos primeiros meses de vida, algumas crianças deixam as pálpebras semi-abertas, com uma pequena faixa dos olhos aparecendo. Isso não é motivo de preocupação e deve desaparecer até o primeiro aniversário. No entanto, manter os olhos fechados durante o sono garante a lubrificação ocular. Por isso, se o seu filho tem mais de um ano e deixa as pálpebras abertas enquanto dorme, vale a pena conversar com o médico.

É normal meu bebê regurgitar após todas as mamadas?

Em praticamente 100% dos casos, a regurgitação é fisiológica e não precisa de medicamentos. Ela deve passar no primeiro ano de vida da criança, quando uma válvula localizada no final do esôfago amadurece e torna-se mais firme e capaz de manter o alimento no estômago. Existe muito medo da regurgitação patológica (ou seja, refluxo), que atinge apenas 1% das crianças. O pediatra é capaz de identificar o refluxo patológico com base no ganho de peso, no crescimento e nos padrões de sono e de respiração do bebê.

É normal meu filho se comportar melhor com outras pessoas do que ele se comporta comigo?

A partir dos três meses, a criança já reconhece a mãe e diferencia seu principal cuidador das outras pessoas. Geralmente, as mães são as que mais cedem às vontades dos filhos e o bebê percebe isso desde cedo. Para evitar situações desagradáveis, é importante impor alguns limites e não ceder perante as manhas. Além disso, seu filho pode se distrair com as visitas e chorar menos.

É normal meu recém-nascido ter cólicas todos os dias?

As cólicas estão entre as maiores queixas das mães nos consultórios pediátricos. As temidas dores começam entre o 20º e o 30º dia de vida e não têm relação com a alimentação da mulher. A orientação para quem amamenta é de não consumir alimentos muito gordurosos, pois a gordura passa no leite e dificulta a digestão do recém-nascido. A origem da cólica está ligada à formação da flora intestinal do bebê e algumas práticas amenizam o desconforto: massagens nas perninhas e na barriga, colocar o bebê de bruços nos braços ou no peito dos pais e banhos mornos. O importante é ter paciência e não medicar a criança sem necessidade. A amamentação exclusiva nos seis primeiros meses e a pega correta do bico do peito evitam as cólicas.

É normal meu filho dormir de bruços?

A Academia Americana de Pediatria e a Sociedade Brasileira de Pediatria não recomendam que os pais coloquem os bebês para dormir de bruços, pois essa posição aumenta o risco de síndrome da morta súbita do recém-nascido. A melhor posição para as crianças pequenas dormirem é de barriga para cima, com a cabeceira do berço erguida de 30 a 45 graus – você pode colocar um travesseiro embaixo do colchão. Caso a posição de bruços melhore as cólicas do seu filho, deixe que ele deite assim somente por períodos curtos durante o dia e sempre sob supervisão.

Fontes: Eliane Alfani, pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, e Hamilton Robledo, pediatra do Hospital e Maternidade São Camilo
.

Comentários