Cuidados: Gestantes podem absorver substâncias perigosas para o feto!

Na gravidez já sabemos das "obrigações" mais importantes: pré-natal e cuidados com a saúde, corpo, hábitos e alimentação. Mas muitas vezes mal sabemos que os alimentos mais improváveis podem ser os mais nocivos. E nesses alimentos podem conter substâncias poluentes que podem atravessar a placenta e atingir o feto.
 
Segundo o Maurício Mendes Barbosa, obstetra, há grande discussão a respeito da ingestão de mercúrio, que seria encontrado nos peixes e frutos do mar. "Hoje o FDA (Food and Drug Administration, órgão governamental dos Estados Unidos que faz o controle dos alimentos) recomenda quantidades limitadas de peixes na gestação, em particular os chamados predadores - do topo da cadeia alimentar -, como, por exemplo, o atum."

Porém, esta iguaria não está totalmente proibida e ainda traz vantagens. Vários estudos demonstram que o consumo do peixe durante a gestação tem mais efeitos benéficos para a gestante e o desenvolvimento cerebral fetal do que malefícios. "A presença de ácidos graxos de cadeia longa, selênio e ômega-3 podem contribuir para um melhor desenvolvimento neuronal do feto, melhorando o seu desenvolvimento cognitivo e o seu QI", explica o médico. "Entretanto, é preciso saber a procedência do peixe e selecioná-lo muito bem, uma vez que eles são oriundos de águas poluídas".

Como malefício, o mercúrio pode afetar o desenvolvimento cerebral do feto, levando, em casos graves, até a paralisia cerebral. O cigarro é outro agente que pode prejudicar o desenvolvimento neuronal do bebê. Tinturas de cabelo, apesar de toda a recomendação, devem ser analisadas para verificar a presença de algum metal pesado como o chumbo e o iodo, esse último podendo causar malefícios na tireóide fetal. "Felizmente, a maioria das tinturas hoje em dia não possui qualquer metal pesado," finaliza Dr. Maurício.

Por Bárbara Ariola (MBPress)

Comentários