A incrível sensibilidade dos bebês e como eles percebem as relações sociais

A incrível sensibilidade dos bebês e como eles percebem as relações sociais
As crianças nem sabem falar ainda, mas já conseguem saber se pessoas de seu convívio são amistosas ou hostis. Pelo menos é isso o que afirma uma pesquisa publicada na revista Journal of Experimental Psychology: General.
A professora de Psicologia, Amanda Woodward, da Universidade de Chicago, uma das autoras do artigo, afirma que há indícios de que os bebês observam as relações sociais de outras pessoas.
As conclusões foram tiradas a partir de um estudo feito com 64 bebês de nove meses de idade, divididos em grupos.
Os especialistas analisaram suas reações positivas e negativas diante de situações em que adultos interagiam, gravadas em vídeo. Uma delas foi a de duas pessoas comendo, uma ação cotidiana importante que fornece aos bebês informações sociais.
Situações menos comuns levavam os pequenos a se fixarem mais nas imagens, já que precisavam entender melhor o que estava acontecendo.
Os bebês demonstraram muita surpresa diante de uma situação em que dois adultos, que gostavam de comer as mesmas coisas, apresentaram um comportamento negativo entre eles e, em outro quadro, dois adultos que saboreavam pratos diferentes demostravam amizade e respeito entre si.
Mas, o que tudo isso tem de importante? Os pesquisadores acreditam que as raízes do raciocínio sobre as interações sociais de outras pessoas, com base nos seus gostos e desgostos, podem ser criadas na Primeira Infância. Isso significa que o comportamento agressivo ou afetivo dos adultos em situações rotineiras tende a influenciar os pequenos sobre seu entendimento de como se dão as relações sociais.
Ou seja, essa pesquisa tem tudo a ver com quem está, de fato, dedicado a favorecer um desenvolvimento infantil sadio da criança pequena, em todos os seus aspectos. Por isso, vale nossa reflexão.

Fonte: http://www.desenvolvimento-infantil.blog.br/a-incrivel-sensibilidade-dos-bebes-e-como-eles-percebem-as-relacoes-sociais/

Comentários