O colo da mãe

Não só do fato de este colo ser disponibilizado ou não ao bebê, mas de como, e com que qualidade ele é disponibilizado. Pode não parecer, mas segurar um bebê é um trabalho especializado, não que precise de estudo e qualificação, mas de disposição física e emocional.

Os bebês são muito sensíveis a maneira como são segurados. O que os leva a chorar com algumas pessoas e a ficar calmos e satisfeitos com outras, mesmo quando são ainda muito pequenos.

Mas o colo da mãe, nesse primeiro momento, sendo ela e o bebê os protagonistas destas primeiras fases de desenvolvimento, não poderia deixar de ter um papel especial.

A mãe com seu colo, nesses primeiros meses do bebê confere a ele duas percepções que são de extrema importância para seu desenvolvimento futuro, o contorno de seu corpo físico e sua individualidade e as primeiras impressões do mundo que o recebe.


Isso equivale a dizer que é a mãe e seu colo que podem facilitar ao bebê a percepção dos limites de seu próprio corpo e de seu rudimentar ego/eu.

Para clarificar este pensamento, vale dizer que o bebê quando nasce, não tem a menor consciência de que seu corpo é diferenciado do restante do mundo. Para o bebê tudo é ele. Mãe, qualquer outra pessoa e o mundo são ele.

É no colo da mãe, e nas vivências, que essa criança vai percebendo que ela é um corpo e um eu separados da mãe e do resto do mundo. Esse é um acontecimento que se dá concomitantemente nos planos físico e emocional.

Aos poucos, nesse contato e suporte do colo da mãe ele vai se diferenciando – minha mãe é minha mãe, eu sou eu e o mundo é o mundo.

O bebê vai se descobrindo e descobrindo o mundo a partir desse colo, desse contorno do próprio corpo que lhe é proporcionado pelo braços da mãe.

Braços esses que podem oferecer um colo frouxo e sem vida, seguro e confiante ou ainda rígido demais.

Um colo agradável e seguro é aquele que adapta a pressão de seus braços as necessidades do bebê, não o apertam, nem o deixam solto demais, movem-se lentamente sem a profusão de movimentos bruscos que podem levar o bebê aos sustos. E ainda que se mostra diposto emocionalmente a esse lugar de suporte com amor.

Segue-se a importância de salientar que o colo da mãe se apresenta como o primeiro contato do bebê com o mundo. Então podemos dizer que esse mundo, pelo colo da mãe e suas características, pode parecer a criança como algo rígido, atento somente as obrigações e necessidades básicas, como inseguro, instável ou ainda como seguro, confiante e acolhedor.

Essa percepção dependerá das condições físicas e emocionais em que se encontrar essa mãe no momento e primeiros 6 meses da chegada de seu filho.

Sendo assim, mais uma vez precisamos estar atentos a como estamos percebendo e sentindo o mundo, pois até mesmo pelo nosso comportamento corporal podemos estar apresentando este mundo a nossos bebês.

 

 

Fonte: http://psicologiainfantilsa.blogspot.com/2010/02/o-colo-da-mae-estamos-nos-atendo-nestes.html
.

Comentários