31 de outubro de 2011

O CÉTICO E O LÚCIDO...

No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês. O primeiro pergunta ao outro:

- Você acredita na vida após o nascimento?

- Certamente. Algo tem de haver após o nascimento. Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.

- Bobagem, não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?

- Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.

- Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical nos alimenta. Eu digo somente uma coisa: A vida após o nascimento
está excluída – o cordão umbilical é muito curto.

- Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.

- Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas encerra a vida. E afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.

- Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.

- Mamãe? Você acredita na mamãe? E onde ela supostamente está?

- Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria.

- Eu não acredito! Eu nunca vi nenhuma mamãe, por isso é claro que não existe nenhuma.

- Bem, mas às vezes quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando, ou sente, como ela afaga nosso mundo. Saiba, eu penso que só então a vida real nos espera e agora apenas estamos nos preparando para ela…

PENSE NISSO...

27 de outubro de 2011

TOXOPLASMOSE: O MAIOR PERIGO ESTÁ ONDE VOCÊ NEM IMAGINA

Por Dra. Claudia Batistella Scaf

A toxoplasmose é uma zoonose (doença transmitida dos animais aos homens) causada por um protozoário chamado Toxoplasma gondii.

Infelizmente, não faz parte da rotina médica o atendimento de zoonoses, mas para nós, médicos veterinários, é muito comum.

Nós lutamos todos os dias para derrubar o mito de que o gato é grande vilão da toxoplasmose; queremos mostrar à população como realmente acontece a transmissão. Realmente, não se pode negar, o Toxoplasma Gondii é um protozoário que tem seu ciclo de vida em diversos carnívoros, mas somente no felino ele é capaz de completá-lo e infestar o meio ambiente.

Mas há um caminho longo e cheio de barreiras para que uma pessoa adquira a doença diretamente do injustiçado gato.

Em 1º lugar, não são todos os felinos que têm predisposição para fazer a doença, mas somente aqueles que ingerem carne crua ou mal assada ou que são caçadores (baratas, ratos,etc.).

Para que ocorra transmissão para o gato, é necessário que o este coma a carne que contenha os cistos do toxoplasma. Na maioria, são animais que tem acesso à rua e que estão com seu sistema imune comprometido.

Estima-se que apenas 1%- UM EM CEM! - da população felina albergue o protozoário.

Em 2º lugar, o gato, se estiver contaminado, só elimina o parasito nas fezes durante 15 dias e apenas uma vez em toda a sua vida. Geralmente esta eliminação ocorre 10 dias após ter se infectado.

Em 3º lugar, para ocorrer a contaminação de pessoas a partir das fezes do gato, é necessário que estas fezes fiquem no ambiente por, NO MÍNIMO, 48 horas, e que depois sejam ingeridas; caso contrário, o ciclo não se completa!

Os gatos possuem o hábito de limpar-se, não deixando restos de fezes na pelagem, e enterram seus excrementos.

Porém, mesmo que não se limpem, já há estudos mostrando que não há viabilidade de infecção caso hajam fezes grudadas no pêlo do animal.

A possibilidade de contaminação do proprietário do gato pelo próprio gato é mínima ou inexistente.

Acariciar um gato e tê-lo como animal de companhia não representa perigo. Mordidas ou arranhões do gato também não transmitem toxoplasmose.

O mais comum é que a doença seja adquirida via ingestão de carnes mal cozidas, e também pela ingestão de verduras e legumes mal lavados e falta de higienização das mãos após o manuseio com terra.

Tendo em vista o supracitado, é por isso que há um alto índice de toxoplasmose em Portugal, pelo alto consumo de embutidos (leia-se sem cozimento), e também em Erechim, que é o lugar com maior índice de toxoplasmose no planeta, pelo alto consumo de carne suína mal cozida.

Ademais, somente pessoas imunodeficientes ou as mulheres grávidas que nunca tiveram contato com o parasita (leia-se sem formação de anticorpos) formam o grupo de risco.

Se fizermos sorologia numa determinada população, a maioria será positiva para toxoplasmose, não pelo fato de terem a doença, mas sim porque, em algum momento da vida, houve contato com o cisto do parasita e o corpo produziu anticorpos, e estes anticorpos permanecem para o resto da vida.

Portanto, que fique bem claro que beijar, abraçar, dormir com gatos

NÃO LEVA À TRANSMISSÃO DA TOXOPLASMOSE!

A prevenção da toxoplasmose se dá com boas práticas de higiene, tais como limpar a caixa de areia dos felinos diariamente, não ingerir alimentos crus ou mal-cozidos sem prévio congelamento por 48 horas, não ingerir leite in natura e embutidos não fiscalizados, limpar cuidadosamente qualquer material que entre em contato com carnes cruas, e fazer uso de luvas ao realizar jardinagem.

Além disso, evite que seu gato tenha acesso á rua e, é claro, o animal deve ser vacinado, desparasitado interna e externamente e examinado regularmente por um médico veterinário para que se evite qualquer doença.

Na dúvida?

Faça uma sorologia, sua e do seu felino, para toxoplasmose.


E por favor, não abandone seu animal de estimação!

20 de outubro de 2011

Bebês e crianças abaixo de 2 anos devem aprender brincando livremente, longe das telas.

Divulgada nesta terça-feira a nova recomendação da Academia Americana de Pediatria (AAP) para que crianças abaixo de 2 anos de idade não fiquem diante de telas de TVs, tablets, celulares, computadores, etc. Para compreender melhor o mundo, elas precisam aprender brincando livremente, interagindo com outras pessoas ou se divertindo sozinhas.

A tentação para entreter bebês e crianças em mídias eletrônicas é cada vez mais presente, com telas cercando todos os cômodos da casa, carro, lojas, etc. As novas recomendações da Academia Americana de Pediatria diz que há melhores maneiras de ajudar as crianças a se desenvolverem nesta idade crítica do desenvolvimento infantil. 

Em uma pesquisa recente, 90% dos pais disseram que crianças abaixo de 2 anos utilizam alguma forma de mídia eletrônica. Em média, assistem a uma ou duas horas de TV por dia. Na idade de 3 anos, quase um terço das crianças têm uma TV em seu quarto de dormir. Os pais que acreditam que programas educativos na TV “são muito importantes” para o desenvolvimento têm duas vezes mais chance de ligar o aparelho durante a maioria do tempo todos os dias.

A diretiva da AAP “Media Use by Children Younger Than Two Years” foi divulgada nesta terça, 18 de outubro de 2011, no AAP National Conference & Exhibition, em Boston, e será publicada pelo periódico Pediatrics em novembro.

A AAP havia divulgado, em 1999, uma orientação que dizia que crianças até 2 anos de idade não deveriam assistir TV. Na época, existiam dados limitados sobre o assunto, mas a AAP acreditava que havia mais efeitos potencialmente negativos do que positivos da exposição à mídia eletrônica nesta faixa etária. Dados mais recentes confirmam esta possibilidade e a AAP manteve a recomendação para manter as crianças com idade inferior a 2 anos longe das telas o maior tempo possível.

Hoje se conhece melhor o desenvolvimento do cérebro das crianças neste estágio precoce da vida, as melhores maneiras de ajudá-los a aprender e os efeitos que os vários tipos de estimulação e atividades têm sobre esse processo.

"As preocupações levantadas na diretiva da AAP são ainda mais relevantes agora, o que levou a desenvolver uma orientação mais abrangente em torno dessa faixa etária", disse o Dr. Brown, membro do AAP Council on Communications and Media.
O relatório se propôs a responder duas perguntas:
  1. Vídeos e programas de televisão têm algum valor educativo para crianças menores de 2 anos?
  2. Existe algum prejuízo para as crianças desta idade que assistem a esses programas?
Muitos programas em vídeos para bebês e crianças são comercializados como sendo “educativos”, mas não há evidências que suportam esta afirmação. Programas de qualidade são educativos para crianças apenas quando elas compreendem o contexto e o conteúdo do vídeo exibido. Os estudos mostram que crianças acima de 2 anos são capazes de ter esta compreensão.

Tempo de brincadeira livre, sem regras ou planos estruturados, são mais valiosos para o desenvolvimento cerebral do que o uso da mídia eletrônica. As crianças aprendem a pensar com criatividade, resolver problemas, desenvolver suas habilidades de raciocínio e de motricidade em idades precoces através de brincadeiras não estruturadas e desconectadas. O tempo de brincadeira livre também as ensina como se entreter sozinhas.

Crianças pequenas aprender melhor com a interação com outras pessoas e não com as telas. Elas têm necessidade de interagir com outros seres humanos. Qualquer efeito positivo da televisão para bebês e crianças ainda está em questão, mas os benefícios da interação entre pais e filhos já estão provados. Abaixo de dois anos, conversar, cantar, ler, ouvir músicas ou brincar livremente são muito mais importantes para o desenvolvimento infantil do que qualquer programa de televisão.

Os pais que assistem aos vídeos com seus filhos podem colaborar para melhorar a compreensão das crianças, mas elas aprendem mais quando assistem apresentações ao vivo (como teatros) do que em programas televisionados.

Quando os pais estão assistindo seus próprios programas no mesmo ambiente das crianças, a chamada “mídia de fundo” pode distrair e diminuir a interação dos pais com a criança. Esta presença pode interferir no aprendizado de jogos e outras atividades.

Ver televisão na cama pode levar a maus hábitos de sono e horários irregulares, o que pode afetar o humor, o comportamento e o aprendizado dos pequenos.Crianças jovens com excesso de exposição à mídia eletrônica podem correr o risco de atrasos no desenvolvimento da linguagem quando entram na escola. No entanto, mais pesquisas são necessárias para entender as razões desses atrasos.

O relatório recomenda que os pais ou pessoas que cuidam de crianças:
  • Estabeleçam limites de tempo para a exposição a mídias eletrônicas para crianças com menos de dois anos de idade, tendo em mente que a AAP desencoraja o uso deste tipo de atividade para esta faixa etária. Os pais que optarem pelo uso deste tipo de distração para seus filhos, devem ter uma estratégia de gerenciamento de tal atividade.
  • Ao invés de telas, optem por brincadeiras livres supervisionadas para bebês1 e crianças jovens durante o tempo em que os pais não podem se sentar para participar ativamente das brincadeiras. Por exemplo, ofereçam blocos de montar e coloque-os no chão nas proximidades para que as crianças brinquem, enquanto os pais realizam tarefas domésticas, etc.
  • Evitem colocar televisão no quarto de dormir da criança.
  • Reconheçam que a utilização de mídia eletrônica pelos pais pode ter efeitos negativos nas crianças.
O relatório também recomenda mais pesquisas sobre os efeitos em longo prazo da exposição precoce à mídia eletrônica na saúde física, mental e social futura das crianças. De acordo com o Dr. Brown, “o melhor a fazer para as crianças jovens é lhes dar a chance de brincar livremente, com os pais ou sozinhas. As crianças precisam disso para entender como o mundo funciona.”

NEWS.MED.BR, 2011. Bebês e crianças abaixo de 2 anos devem aprender brincando livremente, longe das telas. É o que a Academia Americana de Pediatria recomenda. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2011.

18 de outubro de 2011

I Encontro de Pais e Cuidadores de Bebês Prematuros de Campos

O I Encontro de Pais e Cuidadores de Bebês Prematuros de Campos é uma iniciativa para marcar o lançamento do projeto Casa de Apoio à Mãe de UTI em Campos dos Goytacazes.

No dia 19 de outubro, quarta, grupos de academicos desenvolverão atividades nas UBSs do municipio relacionadas à doação de leite humano (eles receberão um mini curso dia 17 sobre controle e qualidade do LH e AM em pretermos). 
Dia 20, no Auditório da Santa Casa de Misericórdia de Campos, a pártir das 9 horas da manhã, daremos um Curso de Vivencias do Bebe Prematuro, abordando aspectos do cuidado individualizado e respeitoso para com esses bebes. 

Dia 20 aq partir das 20:30 também no Auditório da Santa Casa de Misericórdia de Campos, receberemos Dra Luciana Herrero, pediatra paulista, para apresentar o tema Aleitamento Materno em prematuros e exibição do video "Em nossas mãos" da Dra Paula Meier. 

Dia 21 as 9 da manhã no Teatro de Bolso de Campos lançaremos o livro "Uma Declaração Universal de Direitos para o bebê Prematuro - Edição Comentada" que tem a participação de quase meia centena de colaboradores no Brasil e de fora daqui. Será lançada também uma serie de postais comemorativos alusivos aos Direitos de um Bebê Prematuro. Assistiremos a apresentação da dramatização "Os dias de UTI" baseada nos relatos do livro e faremos homenagens às mães prematuras, seus filhos e cuidadores com rosas e poemas. 

E lançaremos o Projeto Casa de Apoio à Mãe de UTI que pretende servir de acolhida para mães que tem seus bebês internados nas Unidades Neonatais e passam por momentos de dor inominada.

A entrada é franca para estes eventos!

Qualquer duvida entre em contato:
99488801 (Dr.Luís Alberto Mussa Tavares)
 
lamtavares@uol.com.br

13 de outubro de 2011

15 boas razões para NÃO DAR chupeta ou mamadeira!

Essa lista pode ser considerada uma via de regra para qualquer bebê. Os poucos e raros casos em que a chupeta possa ter justificativa médica não serão contemplados nessa lista, mas podemos discuti-los à parte.

A lista serve para chupetas ortodônticas, para chupetas do Ursinho Pooh, para chupetas flex, para chupeta hiflex para chupetas rox, para chupetas que soltam luzes, para chupetas que acendem no escuro, para chupetas que fazem barulho, para chupetas que giram e também servem para chupetas normais.

Diz-se que a chupeta ajuda a prevenir a Síndrome da Morte Súbita infantil. Mas esses estudos são poucos, ruins, com pouca relevância científica e bastante discutíveis.

Segue:
Por que NÃO dar chupeta para o bebê?

1 - A chupeta causa má respiração. Favorece a respiração bucal e dificulta a respiração nasal; Ela ensina o bebê a respirar errado e isso traz distúrbios a curto, médio e longo prazos.

2 - Prejudicando a respiração nasal e favorecendo a respiração oral, o sono é prejudicado. Fica mais agitado e menos profundo - incluindo alteração de postura, ronco e outros distúrbios que se apresentam.

3 - A arcada dentária fica severamente prejudicada. Compromete, além da apresentação estética dos dentinhos, a mordida - que poderá ficar mais aberta ou também "cruzada".

4 - Se prejudica a arcada e a mordida, o mastigar e engolir também ficam prejudicados. Isso também trará uma má educação alimentar.

4 - Pela alteração na arcada, a fala fica comprometida.

5 - Devido a essa alteração na dentição e devido ao uso incorreto da musculatura facial, um crescimento ósseo desarmonioso é estimulado e isso causa modificações faciais.

6 - A chupeta causa flacidez da bochecha, dos lábios, da língua e da musculatura da face. O bebê tende a ficar mais tempo com a boca aberta e exposta.

7 - A chupeta favorece o desmame precoce pois altera o posicionamento da boca em relação ao seio, uma vez que a troca de bicos cause confusão. Um bebê que recuse o peito está mais exposto a doenças do trato respiratório, a alergias e a várias outras doenças.

8 - A chupeta favorece o desmame precoce pois altera os efeitos do reflexo, distribuindo força maior ou menor na sucção, causando eventuais vômitos e engasgos para o bebê, ou, no caso mais comum de sucção enfraquecida, alimentação insuficiente. (A mãe também pode desenvolver dor ao amamentar, o que também contribui para o desmame).

9 - A chupeta causa, além do comprometimento da fala já citado, o atraso no desenvolvimento da fala. Ao invés de expressar-se para ser ouvida e para aprender a se comunicar, lá está a criança com a boca "tampada".

10 - A chupeta é um instrumento que acalma os pais, não o bebê. Ela serve para satisfazer a necessidade de silêncio dos adultos e não resolve a angústia do choro da criança. Em outras palavras: Ela não é facilitadora do vínculo afetivo e prejudica a interação e o (re)conhecimento da família diante das necessidades do bebê.

11 - Durante o primeiro ano de vida, o bebê passa por uma fase de desenvolvimento que a psicanálise denomina "fase oral". Durante esse período, os bebês experimentam o mundo. Texturas, sabores, formatos. A amamentação é a fonte de satisfação de um bebê. Ele nasce com o reflexo de sucção e aprende que é pela boca que pode obter satisfação. Então ele passa a experimentar objetos, formas, pele, partes do próprio corpo. Um bebê que use chupeta é privado de boa parte dessa fase de descobertas. Bebês com frustrações na fase oral têm maiores chances de desenvolver hábitos nocivos no futuro, como o de mascar chicletes, chupar dedo, comer exageradamente e fumar.

12 - A chupeta é uma grande fonte de fungos e bactérias. Favorece cáries precoces e expõe o bebê a doenças.

13 - A chupeta pode provocar irreversíveis alterações no céu da boca.

14 - A chupeta causa dependência física e psicológica.

15 - Usar chupeta é feio. E quase tudo isso que você leu nessa lista serve TAMBÉM para o uso de mamadeiras.
(Por Mah Araújo)

Referências:

http://www.fonoaudiologia.med.br/motricidade/117-alteracao-na-mordida-a-respiracao-errada-pode-estar-contribuindo
http://www.sbp.com.br/show_item2.cfm?id_categoria=89&id_detalhe=1696&tipo_detalhe=S
http://www.sbp.com.br/show_item2.cfm?id_categoria=89&id_detalhe=3190&tipo_detalhe=S
http://www.aleitamento.med.br/a_artigos.asp?id=1&id_artigo=285&id_subcategoria=2
http://www.fonoaudiologia.com/trabalhos/artigos/artigo-019/artigo-019-chupeta.htm
http://guiadobebe.uol.com.br/recemnasc/chega_de_chupeta.htm
http://www.cefac.br/revista/revista12/Artigo%206.pdf
http://www4.uninove.br/ojs/index.php/saude/article/viewFile/1414/1202

Adendos:

1 - Não é aconselhado uma retirada bruta. Inclusive da chupeta. Tudo tem que ser sempre gradual.

2 - Efeitos expostos na lista são agravados com o uso de "cheirinhos" e "paninhos" pendurados.


Fonte: http://oquehadeerrado.blogspot.com/2011/10/15-boas-razoes-para-nao-dar-chupeta-ou.html

8 de outubro de 2011

Falando sobre Aborto na Rádio Difusora

Hoje pela manhã falei sobre Aborto na visão da Medicina/Enfermagem e do Espiritismo no Programa Semente Jovem na Rádio Difusora. Foi uma experiência muito legal, é sempre muito bom ter a oportunidade de divulgar a doutrina e esclarecer sobre uma temática tão polêmica!
Em breve colocarei aqui a gravação completa do programa!
Abaixo algumas fotos no estúdio!


7 de outubro de 2011

Entrevista para Rádio Difusora amanhã! 08/10

Pessoas, fiquem ligados que amanhã 08/10/11 estarei as 11h da manhã falando sobre Aborto na visão da Enfermagem e do Espiritismo na Rádio Difusora (AM 640)
Não percam!!