Postagens

Mostrando postagens de Março, 2014

Menino pode brincar de boneca?

Imagem
Entenda por que os pais não devem restringir as brincadeiras das crianças de acordo com o sexo A divisão das brincadeiras por sexo, colocando meninos de um lado e meninas de outro, tem origem em normas sociais baseadas na desigualdade entre homens e mulheres. Até pouco tempo, era papel deles sair para trabalhar e buscar o sustento da família, enquanto elas ficavam em casa cuidando dos filhos. O jeito das crianças brincar, então, apenas refletia essas características sociais. Saltar, correr, montar quebra-cabeças, fazer de conta com carrinhos e ferramentas ocupava os meninos, ao passo que brincar de roda, pular amarelinha e cuidar de bonecas e do lar entretia as meninas. Mas os tempos são outros – e a divisão social em papéis específicos, de acordo com o sexo, deixou de fazer sentido. “Partindo da premissa que considera o brincar uma atividade livre, prazerosa, que permite exploração e descobertas, qualquer restrição por gênero ficou ultrapassada”, afirma a psicoterapeuta Germana Savo…

Os meninos são mais apegados à mãe?

Imagem
Veja o que está por trás do comportamento Os pais de menino, cedo ou tarde, podem acabar com ciúme da cumplicidade entre mãe e filho. Mas o que está por trás disso? “A princípio, todo bebê, independentemente do sexo, se identifica com a figura materna, que é seu primeiro objeto de amor”, afirma a psicóloga Ana Cássia Maturano. À medida que cresce, porém, outras pessoas se tornam importantes na vida dele. Enquanto o menino se identifica com o pai, a menina se espelha na mãe – o que faz parte da construção da identidade masculina e feminina, respectivamente. Entre o terceiro e o quinto ano de vida, com o desenvolvimento da sexualidade, surgiria também uma atração pelo genitor do sexo oposto e, ao mesmo tempo, uma disputa com o do mesmo sexo. Essa teoria, que foi descrita por Freud no século passado, é conhecida por Complexo de Édipo – uma alusão à história da mitologia grega em que o filho se apaixona pela mãe. saiba mais
POR QUE OS MENINOS GOSTAM DE BRINCAR DE LUTA? “Essa preferência, o…
Imagem
Susan Campbell, professora de psicologia da University of Pittsburgh, que estuda o desenvolvimento social e emocional de crianças pequenas e bebês, disse que o apego inseguro emerge quando cuidadores primários não estão “em sintonia” com os sinais sociais do bebê, especialmente os seus choros de socorro durante a infância.

Quando os bebês indefesos aprendem cedo que seus choros serão respondidos, eles também aprendem que suas necessidades serão satisfeitas, e provavelmente irão formar um apego seguro com seus pais”, disse Campbell. “No entanto, quando os cuidadores estão sobrecarregados por causa de suas próprias dificuldades, os bebês são mais propensos a aprender que o mundo não é um lugar seguro — levando-os a se tornarem necessitados, frustrados, afastados ou desorganizados”.
Via: Paizinho, Vírgula! :: http://paizinhovirgula.com/quatro-a-cada-dez-criancas-nao-tem-vinculos-fortes-com-seus-pais/

Nao sacuda seu bebê (Síndrome do Bebê Sacudido)

Marcos do Desenvolvimento Infantil

Imagem
* Logo após o nascimento – o bebê deve começar a mamar e já demonstrar sinais de prazer (sorrir) e desconforto (chorar e resmungar).
* Entre um e dois meses – responde ao sorriso, gosta de ficar em várias posições e olha para objetos coloridos.
* Dos três aos quatro meses – é bem mais ativo. Olha para quem o observa, acompanha com o olhar. Quando colocado de bruços, levanta a cabeça e os ombros.
* Entre cinco e seis meses – vira a cabeça na direção de uma voz ou objeto sonoro. Rola, senta com apoio e leva os pés à boca.
* De sete a nove meses – gosta de brincar com a mãe e familiares. Pode estranhar pessoas de fora de seu convívio diário. Fica sentado sem apoio.
* Entre dez e doze meses – gosta de imitar os pais, fala ao menos uma palavra com sentido e aponta para as coisas que quer. Come a comida que os adultos de casa comem. Engatinha ou anda com apoio.
* Entre treze e dezoito meses – está cada vez mais independente. Quer comer sozinho e já se reconhece no espelho. Fala algumas pal…

1 segundo por dia desde o nascimento - evolução do bebê

Por que as crianças estão cada vez mais infelizes?

Imagem
Especialistas em saúde infantil chamam a atenção para uma epidemia silenciosa que afeta a saúde mental das crianças que, ainda pequenas, precisam lidar com as pressões da sociedade moderna Segundo especialistas, as crianças estão ansiosas, estressadas, deprimidas e sobrecarregadas (ThinkStock) Uma em cada onze crianças com mais de oito anos de idade está infeliz, segundo um estudo divulgado em janeiro deste ano pela Children’s Society, organização centenária de proteção infantil. Apesar de a pesquisa trazer à tona uma realidade das crianças entre 8 e 16 anos do Reino Unido, especialistas brasileiros em saúde infantil afirmam que esse não é um problema exclusivo das crianças britânicas. No Brasil, a realidade é parecida. Ana Maria Escobar, pediatra do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas, em São Paulo, conduziu uma pesquisa com os pais de cerca de 900 crianças de 5 a 9 anos que estudavam em escolas particulares e estaduais. De acordo com os resultados do estudo, os pais disser…

Educando os especialistas- Lição 2: Necessidades

Imagem
Fonte: http://www.evolutionaryparenting.com/?p=387 Por Tracy G. Cassels Tradução de Andréia Mortensen
Um dos mantras pregados por vocês que tentam “salvar o sono dos pais” é que uma criança que tem todas suas necessidades atendidas só chora para te manipular. Vocês afirmam que o choro é um mau comportamento e que precisa ser reprimido– pois você precisa mostrar ao bebê quem é que manda e que seu choro não vai resultar no que ele quer! Entretando, se lembrarmos da lição número 1:
https://www.facebook.com/note.php?note_id=257385097619240 Educando os especialistas- por que o bebê chora? Razões científicas porque treinamentos de sono não são recomendados

O choro é a única forma de comunicação que bebês novinhos tem, então se o ignorarmos ou tentaremos reprimi-lo simplesmente estaríamos eliminando a única forma da criança nos dizer o que precisa.
Ainda assim vocês dizem aos pais que, contanto que se certifiquem que a fralda está seca, que estão alimentados e quentinhos, que não há mais razõ…

CHANTAGEM INFANTIL

Imagem
Por Silvana Freygang - Psicanalista

Thaís, de 5 anos, só termina a lição depois de ouvir da mãe a promessa de que, com a tarefa concluída, ganhará um belo presente. Marcos, de 4 anos, não come enquanto não vê a sua recompensa, um gostoso chocolate. Paula, de 6 anos, ameaça só arrumar o quarto se puder dormir na casa da amiguinha. Quem nunca viu uma destas cenas?

Para desespero dos pais é comum as crianças tentarem negociar coisas como doces, balas, brinquedos ou mesmo a ida à casa dos amigos e ao clube em troca de obrigações como escovar os dentes, fazer a lição de casa, arrumar o quarto, etc. Outras vão mais longe. Usam e abusam da manha e da birra como um artifício para conseguir o que querem. Choram e batem o pé toda vez que a mãe está pronta para sair de casa ou se atiram no chão quando desejam "aquele" brinquedo.

Desde que começam a juntar as primeiras palavras, por volta dos 2 anos, aprendem que a chantagem pode ser uma arma, às vezes, muito eficaz. O aprendizado co…

9 meses em 4 minutos

Como crianças reagem a um prato vazio

)

O que pensam os bebês?

Como os bebês aprendem a linguagem

Imagem
Em geral, nós não precisamos de nenhuma orientação para interpretar o que o nosso bebê sente. No entanto, às vezes aparecem alguns bloqueios: "O que vai acontecer? ". É a nossa própria emoção, nosso medo ou insegurança, que nos impede de conectar-se com ele. Que tal conhecermos um pouquinho das expressões particular de cada emoção?
O recém-nascido experimenta duas emoções básicas: prazer ou desconforto. A partir deles, e a relação que ele tem com a gente, se constroem um sistema mais complexo de emoções.
Os gestos com os quais expressamos nossas emoções são inatos . Charles Darwin sugeriu no início do século XX e foi confirmado por numerosos estudos, sinais que indicam que estamos felizes ou tristes, sentindo surpresa ou dor, são universais.
As expressões de nosso bebê , especialmente nos tocam. Quando sorrimos acende seu rosto, quando ele acorda com aquele rostinho cheio de energia, mas na dúvida quando chora aceleram nosso coração e quando seu olhar repousante da noite che…